Quarta-feira, 26 de Dezembro de 2012

Tudo começou há vinte anos, depois de algumas conversas entre a Lucinda Atalaia e, a ainda, estudante finalista do Curso para o Ensino da Física e da Química na Faculdade de Ciências de Lisboa. Foram conversas entusiasmantes sobre a Natureza da Ciência, a Ciência não só como Corpo de Conhecimentos, mas também como Modo de Pensar caraterístico.

 

Para a Lucinda foi sempre clara a necessidade/ importância de proporcionar aos meninos um frutuoso contato com as Ciências. O desejo de responder a este desafio estava mais vivo do que nunca e, em pouco tempo, foi adaptada uma sala pequena do Jardim Infantil Pestalozzi . Uma sala apetrechada com alguns armários, um lavatório apropriado e material diverso de baixo custo foi o suficiente para, desde então, a professora com preparação específica no Ensino da Física e da Química, desenvolver com os meninos do 3º e 4º anos uma iniciação à atividade científica. Aqui, quinzenalmente, com a turma dividida ao meio, os meninos, em pequenos grupos, realizam atividades que envolvem processos científicos simples como: observar, medir, fazer previsões, formular e testar hipóteses, comparar, classificar, experimentar, inferir, analisar, comunicar, estabelecer relações, retirar conclusões, registar procedimentos e resultados, planear experiências para resolver problemas simples, identificar dificuldades e procurar soluções.

 

As diversas atividades pretendem levar cada criança a aprender, dentro do limite da sua idade, a natureza da construção do conhecimento científico, o modo como este é desenvolvido. O trabalho, em modo cooperativo, em pequenos grupos, não realça apenas a compreensão da Ciência, mas também incentiva a prática de muitas competências, atitudes e valores que caraterizam a Ciência.

 

A seleção das experiências e a sequência pela qual são exploradas têm também em conta o programa de Estudo do Meio do 1º Ciclo do Ensino Básico. Trata-se de experiências simples, algumas até divertidas que vão ao encontro dos interesses dos meninos e que constituem elementos básicos para a futura organização de conceitos mais complexos e relevantes.

 

As referidas experiências centram-se em alguns conceitos científicos estruturantes e nas ligações entre esses conceitos e os objetos, seres vivos e factos do mundo real. Executadas pelos meninos, com um mínimo de orientação, envolvem o manuseamento de materiais diversos, simples e que, quase sempre, lhes são familiares. A execução destas experiências constitui, pois, uma oportunidade para as crianças encontrarem respostas a questões levantadas sobre vários temas e satisfazerem a sua grande curiosidade e o desejo de descobrir e de perceber melhor o mundo que as rodeia.

 

A reflexão cuidada e a discussão sobre as experiências realizadas facilitam a compreensão, sendo essenciais para promover o crescimento intelectual das crianças. Neste sentido, a professora intervém, dando tempo para que os meninos desenvolvam uma compreensão, escuta e encoraja a participação ativa dos mesmos na comunicação dos seus pensamentos nomeadamente: fazer perguntas, construir explicações e justificar a sua compreensão, argumentar a partir dos dados e observações recolhidas, defender conclusões, desafiar criticamente as explicações uns dos outros e fazer sugestões.

 

 

A avaliação do trabalho desenvolvido no “Laboratório”, ao longo destes anos, tem sido globalmente muito positiva.

Os meninos:

- realizam com entusiasmo as atividades propostas e observam atentamente;

- entreajudam-se na execução das tarefas, reconhecem erros e tentam emendá-los, são persistentes, repetem procedimentos procurando ultrapassar as dificuldades;

- põem em comum vivências diversas relacionadas com as atividades que realizam, partilham o que sabem, discutem, identificam contradições e desafiam as explicações dos colegas, modificam as suas ideias perante as evidências/ observações;

- elaboram com empenho os registos escritos, aprimoram a qualidade desses registos ao longo do tempo, tornando-os mais claros, objetivos e rigorosos;

- melhoram a sua capacidade de raciocínio lógico e comunicação de ideias;

- revelam a experiência interior de satisfação intelectual por uma descoberta: colocam perguntas pertinentes, fazem ligação entre o que já sabem e o que gostariam de saber, falam entre si das experiências que realizam, fora da influência da professora;

- continuam, algumas vezes, em casa, a explorar um assunto e/ou a investigar os materiais, para lá do que estritamente lhes foi pedido;

- tomam iniciativas, sugerem experiências novas, imaginam criativamente as suas próprias experiências.

 

Volvidos estes anos de trabalho gratificante, de interação ativa com muitas crianças, existem razões de sobra para considerar que o projeto inicial foi respeitado, tem amadurecido e é capaz de incorporar novos desafios…

                                                                                                              Prof. Teresa Rangel

 

 

 



publicado por mariajaneiro às 17:04 | link do post | comentar

Actualizações por E-Mail

O seu E-mail:

Delivered by FeedBurner

tags

ciências experimentais

joão dos santos

oficinas

princípios pedagógicos

qualidade pedagógica

todas as tags

posts recentes

...

Centenário do Nascimento ...

Centenário de João dos Sa...

EXPERIÊNCIA - TRÊS SÓLIDO...

Laboratório do Pestalozzi

Principios pedagógicos do...

Qualidade pedagógica no J...

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

links
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30


blogs SAPO
subscrever feeds